Mesa Adega

Mesa Adega

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

CERIMONIA DO CHÁ

.
A prática de tomar chá verde em pó aportou no Japão com os monges zen-budistas que chegavam da China, no século XII. Com o tempo, seu uso difundiu se entre os samurais, chegando até às comunidades rurais. Tornaram-se comuns os “Cha-yoriai” (reuniões de chá), em que se promoviam concursos de provadores de chá com ostensivas exibições de riquezas e apostas vultosas. Foi somente no final do século XV que o monge zen-budista Murata Shuko (1422/1502) passou a incentivar a prática da cerimônia de chá em salas pequenas, com pouco utensílios, muitos de procedência doméstica. E coube a outro monge, Sen Rikyu (1522/1591), dar a estrutura definitiva para a cerimônia do chá, no final do século XVI (período Momoyama, o mais faustoso da história japonesa). Ligado à filosofia zen, Rikyu prega o espírito wabi (desprendimento, simplicidade, eliminação do supérfluo) para a cerimônia de chá que, ao longo dos anos, também se tornará a essência da arte japonesa. Segundo Rikyu, os princípios básicos do Caminho do Chá são: Harmonia (Wa), Respeito (Kei), Pureza (Sei) e Tranquilidade (Jaku). Cabe ao “Chajin” (homem de chá) criar um ambiente, através do rígido ritual e total participação, onde esses princípios sejam sentidos e vividos intensamente por todos, por um momento único e irrepetível.
Os princípios
A Harmonia resulta da interação do anfitrião, do convidado, da comida servida, dos utensílios usados e da natureza. Antes do chá, será oferecido doce ou uma leve refeição ao convidado cujos pratos estarão de acordo com a estação do ano. O segundo princípio, o Respeito, refere-se à sinceridade do coração, aberto para um relacionamento com o ser humano e a natureza, reconhecendo a dignidade inata de cada um. A Pureza, segundo os ensinamentos de Rikyu, relaciona-se ao simples ato de limpar. Os preparativos, o próprio serviço do chá e a limpeza após a cerimônia estão colocando em ordem, também, o seu próprio íntimo. E, esta ordem é essencial. Finalmente, a Tranquilidade é o conceito estético próprio do chá, alcançado através da prática constante em nosso cotidiano desses três primeiros princípios básicos. Segundo Rikyu, o ponto essencial do Caminho do Chá é que seus princípios são dirigidos à totalidade da existência e não somente aos momentos vividos em uma sala de chá. E é uma disciplina a ser treinada durante toda uma vida. São necessários pelo menos 10 anos para o domínio de todas as nuanças relativas à cerimônia.
Texto baseado no livro “Vivência e Sabedoria do Chá”, de autoria de Soshitsu Sen XV, São Paulo, T.A. Queiroz Editor, 1981.





11 comentários:

  1. Nossa, são peças maravilhosas, meus parabens...

    até segunda tenho que treinar minhas habilidades com biscuit, tenho que fazer alguns extintores para os postos, e vou aproveitar e fazer alguns de reserva, (problema é que a escala que trabalho 1:64 o extintor fica pouca coisa maior que um grão de arroz)

    Um abraço

    Fernando

    ResponderExcluir
  2. A sua 'cerâmica japonesa' está maravilhosa! As peças são lindas!

    ResponderExcluir
  3. Preciosos juegos. El rojo es un encanto.

    Besos, Narán

    ResponderExcluir
  4. The japanese sets are very beautiful. I love this style.
    Hugs

    ResponderExcluir
  5. Son preciosas estas vajillas!!!Besos.

    ResponderExcluir
  6. Me enamore!!!!!!
    Son absolutamente fantasticos todos los juegos de te.
    besitos ascension

    ResponderExcluir
  7. Belas peças, muito reais. Parabéns e beijos no coração.

    ResponderExcluir
  8. União das Blogueiras, vamos unir forçar e conseguir a tão esperada 1 millão de visitas em nossos Blogs. Uma ajudando a outra, então acesse o meu link e depois me passa o seu link! Vamos lá tenho fé que assim dá certo!

    http://www.1milhaodevisitas.com/?aff=15329

    Beijos

    ResponderExcluir